FC Porto-Maccabi Tel Aviv (Lusa)

E como o título diz, o mais importante a reter de hoje para além da vitória, é mesmo a liderança isolada do grupo no final da primeira volta, já que o jogo, esse foi muito fraquinho.

Isso e a braçadeira de capitão de Rúben Neves, mas sobre falarei noutro post.

Vamos aos destaques, porque com exceção dos golos, o resto teve muito pouco interesse.

Vedetas:

Aboubakar – Marcou, deu a marcar e lutou muito entre os centrais. Aquele lance que dá o segundo golo a Brahimi é sintomático disso mesmo. Só mesmo ele para acreditar que de entre 4 jogadores contrários poderia ser feliz e conseguir tirar aquele passe para o golo do argelino.

André André – É difícil jogar mal. Até porque não o sabe fazer. Uma formiguinha de trabalho, consegue ganhar bolas graças à sua garra e vontade. Um jogador “à Porto”

Maxi Pereira – Bom jogo do uruguaio. Subiu sempre muito bem, desequilibrando no ataque e sempre a correr. Um poço de energia inesgotável. Uma pena não poder jogar domingo.

Rúben Neves – Mais que a exibição realizada, que não sendo má, também não foi extraordinária, ele merece a distinção sem sombra de dúvida. Capitanear o seu clube de coração, aos 18 anos, num jogo da Liga dos Campeões não está ao alcance de todos. Parabéns “miúdo”.

Pernetas 

Imbulla – Tarda em aparecer o belga. Tem pormenores que me fazem acreditar que está ali um craque, mas depois vamos a espremer jogo após jogo, e poucas são as vezes que se destaca pela positiva.

Corona – Fraco, muito fraco. Demasiadas perdas de bola, exageros nas tentativas de drible quase sempre sem produtividade. Hoje esteve em dia não.

Três pontos, sete no final da primeira volta e estamos bem encaminhados para os oitavos.

Vem agora um jogo muito importante no domingo, contra o Braga onde temos de manter a nossa fortaleza inexpugnável.

Anúncios