União Madeira-FC Porto (Lusa)

Depois de dois jogos miseráveis nada melhor que uma vitória por quatro golos sem resposta para levantar um pouco a moral, quer dos jogadores, quer dos adeptos, que depois do jogo contra o Dynamo de Kiev ficaram muito descrentes (eu incluído).

Uma entrada mais forte que o habitual fez com que o adversário começasse a abrir brechas na sua defensiva, sendo portanto com toda a naturalidade (e alguma sorte) que conseguimos o primeiro golo por intermédio de Herrera. O mexicano já antes tinha tido uma grande oportunidade para faturar, mas cabeceou por cima.

Dois minutos volvidos, e naquela que para mim foi a melhor jogada de todo o encontro, iniciada por uma boa recuperação de bola de Corona que desmarca Maxi Pereira, fazendo este uma assistência para o argelino que volta a marcar um bom golo.

E se graças a esse golo tudo se descomplicou, mais fácil ficou com um golo, que se tivesse sido intencional, seria certamente o golo do ano. Corona ainda longe da área, sobre a direita do ataque tenta um cruzamento (acho eu) que fez com que a bola parecesse teleguiada para o ângulo superior esquerdo da baliza do União. Estava feito o terceiro e a discussão pela vitória terminava ali.

Daí e até final foi só gerir o resultado, notando-se ainda que nem todas as feridas estão saradas. A nossa zona defensiva está intranquila e isso salta à vista de todos. Mesmo assim, e mesmo após mais uma expulsão “à la Paixão” (ainda estou para perceber o que Osvaldo fez para merecer o vermelho) ainda chegamos ao quarto golo, num lance de bola parada, o que para nós é coisa rara. Livre sobre a direita, cruzamento de Layún e cabeçada vitoriosa de Danilo Pereira.

Foi uma boa vitória, a primeira da era Lopetegui na Madeira e o encurtar de distâncias para o atual líder.

Agora é continuar a recuperação, quer pontual, quer psicológica da equipa já no próximo sábado no Dragão contra o Paços de Ferreira.

Vamos agora aos destaques:

Vedetas

Brahimi – Mais um bom golo, surgiu mais desequilibrador que o normal. Deveria continuar assim. Teria bem mais a ganhar. Ele e o clube.

Layún – Mais duas assistências para golo. O mexicano defende mal como tudo, mas quando não é obrigado a isso, destaca-se e muito no ataque. Mais um bom jogo a juntar a outros já feitos de Dragão ao peito.

Danilo Pereira – Para mim o melhor em campo. Foi um verdadeiro tampão naquela zona, para além da construção de jogo que fez. ainda conseguiu ir lá à frente marcar um golo. Jogo muito bom do internacional português.

Pernetas

Osvaldo – A sua expulsão foi injusta. Nada fez para ser expulso naquele lance, mas o certo é que sempre se preocupou mais em fazer faltas do que em jogar. Não me parece que esteja com a cabeça cá, e começa a ser criminoso ver um jovem formado no nosso clube a jogar pela B e ver esta espécie de ponta de lança a tapar-lhe o lugar. Pode ser que esta exibição sirva para alguma coisa.

A expulsão de Osvaldo – Bruno Paixão não resiste. Mesmo quando pode atenuar o ódio portista (perfeitamente justificado) para com ele, não consegue resistir a deixar a sua marca. O que viu ele que mais ninguém viu? O que fez Osvaldo para levar vermelho direto? Incompreensível e a fazer ver que este senhor está a mais na arbitragem portuguesa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios