Agora o Dragão, depois da prenda da Choupana

E à 14ª jornada a liderança do campeonato. Uma liderança que nos faz passar um Natal mais felizes e com a certeza de que acabaremos o ano em 1º lugar.

Depois da escorregadela do anterior líder, exigia-se que finalmente o FC Porto não desperdiçasse uma oportunidade de atingir o topo, e assim foi.

Entrada demolidora da nossa equipa, talvez a melhor de todas esta época para o campeonato.

E aos 7′ o golo. Danilo Pereira na sequência de um canto faz o primeiro. Três golos de canto nos últimos três jogos é obra para a nossa tradicional ineficácia nestes lances.

Fizemos uma primeira parte de muito bom nível, e a vantagem ao intervalo até pecava por escassa.

A segunda parte começa com um FC Porto a continuar a jogar bem e foi com naturalidade que após um livre muito bem marcado por Layún para a cabeça de Aboubakar que fatura o segundo.

Depois de mais vinte minutos em grande nível, chega o momento do jogo. Grande receção de Corona, que parte os rins ao defesa contrário e endossa a bola redondinha para Herrera de calcanhar marcar o terceiro. Grande jogada e grande golo.

Daí e até final assistimos aos dois momentos negativos do jogo. O golo da Académica e aquele que para mim foi o pior de todos.

Eu também achava que era o momento ideal para André Silva entrar. Tínhamos o jogo ganho, é época natalícia, o André é um produto das nossas escolas e um grande jogador. Tudo condimentos para o miúdo entrar. E o que faz Lopetegui? Mete Bueno.

Assobiadela monumental no Dragão para a decisão. Até aqui a única critica vai para o treinador que continua a ser um mestre na péssima gestão que faz do plantel. O pior veio depois. Não se pode assobiar daquela maneira um jogador que não qualquer culpa no meio disto tudo. Podem vir dizer que não foi para ele (óbvio que não foi), mas quem ouviu foi ele. Foi feio e não deveria ter sido feito.

Apesar de tudo (ou de JL) atingimos o primeiro lugar na véspera de visitarmos o nosso maior atual maior rival, o que retira dramatismo ao jogo para o nosso lado em caso das coisas correrem mal, e aumenta a pressão para o lado contrário. Foi bom e faz-nos como disse anteriormente, passar um Natal bem mais feliz ao nível desportivo.

Vamos agora aos destaques:

Vedetas

Danilo Pereira – Para mim o melhor em campo. Marcou um golo, quase que marcava outro logo de seguida, estava no meio, nas alas, na defesa, no ataque, o homem estava em todo o lado. Grande jogo!

Corona – Está a subir de forma de jogo para jogo e não fosse o excelente jogo de Danilo e certamente seria o mexicano a ter o título de melhor. Uma assistência para golo, grandes jogadas nas alas, sempre rápido sobre a bola. Bom jogo.

Layún – Mais duas assistências para golo. Pode não defender muito bem, mas no ataque desequilibra como poucos laterais o fazem.

Brahimi – O argelino depois da travessia no deserto está com confiança e isso faz com que espalhe toda a sua magia em campo. Não sei se será por supostamente já estar vendido para a próxima época, mas se jogar sempre assim até final, poderá sair com a sensação do dever cumprido.

Herrera – Não aprecio o mexicano. Nem um bocadinho. Não consigo conceber um jogador de um grande clube como o nosso que não saiba fazer passes, por mais simples que sejam, mas hoje para além do grande golo que fez, esteve muito bem em quase todo o jogo. Espero que seja para continuar.

Pernetas 

Lopetegui – Imperdoável não ter feito entrar André Silva. Revelou mais uma vez falta de capacidade para gerir o bólide que tem na mão. Espero que o faça jogar na taça da liga, porque aí tem de ser mesmo para gerir e fazer rodar os menos utilizados.

Os assobios quando Bueno entra – Não foi para ele é certo, mas o facto é que quem os ouviu foi ele. Teria ficado bem, depois dos assobios a Lopetegui quando se percebeu que não iria fazer entrar o André, aplaudir Bueno quando entrou. Ele não os merecia.

Segue-se agora a pausa Natalícia. Vamos passá-la em primeiro e isso é muito bom e vai-nos fazer entrar em 2016 com outra moral.

Anúncios