Durante a semana ouvi tanta coisa por parte dos adeptos do clube rival que até parecia que o jogo estava ganho por eles, e por goleada.

O próprio clube entrou na onda dos seus apoiantes e lançou um spot publicitário parvo e ridículo aludindo a uma “pretensa” obsessão.

Fomos completamente menosprezados por eles, e quando assim é, ainda mais gozo dá chegar lá e “limpar-lhes o sebo”.

Não percebi o porquê desse menosprezo. Tivéssemos nós a proteção divina deles e hoje estaríamos em igualdade pontual, ou até à frente, bastava para isso o árbitro do jogo com o Arouca e com o Rio Ave (foi o mesmo) ter feito o seu papel e ter sido isento.

Mas adiante, porque para o jogo de ontem isto pouco interessa.

Para mim, o jogo começou logo a ser ganho no inicio, quando Peseiro num ato de coragem e de inteligência não fez a vontade à imprensa e apostou no jovem Chidozie no centro da defesa, mantendo Danilo Pereira no lugar onde rende, e onde tem mostrado ser o melhor trinco português da atualidade, a léguas de distância de qualquer outro.

Se Danilo fosse para o centro da defesa, perderíamos força no meio campo e estaríamos a jogar com um jogador a central, que não é de todo o seu habitat natural.

Depois tivemos um Casillas ao seu melhor nível. Ele que até tem falhado algumas vezes, ontem foi praticamente intransponível. Defendeu quase tudo, até o remate mais perigoso de todos, protagonizado por Martins Indi.

Maxi não se atemorizou perante o suposto “inferno” que iria ter. Esteve igual a si próprio. Alguém viu a super estrela Gaitán durante o jogo?

Layún fez talvez o seu melhor jogo a nível defensivo e teve mais uma assistência para golo (já são 14 só para o campeonato).

Herrera com um grande golo e uma entrega formidável. Quando o mexicano joga assim faz-me dar o braço a torcer, eu que tanto o critico.

André André que nas suas novas funções faz rodar o jogo muito mais fluído e objetivo.

Aboubakar, um trabalhador incansável. Não é de todo um ponta de lança como Jackson, mas nunca desiste e ontem após mais alguns falhanços, acabou por ser dele o golo da vitória.

Danilo Pereira, que tal como disse em cima, é o melhor trinco do nosso futebol. Está numa forma excecional. É um verdadeiro tampão no centro da defesa e consegue transportar a bola da defesa para o ataque com um critério fabuloso.

Chidozie que com a sua tenra idade, chegou a um estádio com um ambiente hostil e jogou com uma naturalidade enorme. Com a falta de centrais que temos não se compreende a sua não inscrição na Liga Europa. Agora vamos ver como será com o Dortmund, porque não me parece que o José Sá possa fazer esse lugar (sim, a minha critica para a SAD tem de vir porque eles falharam redondamente neste mercado de inverno).

Brahimi, Corona e Martins Indi não estiveram para mim tão bem como os outros, mas também lutaram e muito.

Foi uma vitória do querer, contra a sobranceria da equipa e adeptos da casa. Foi a vitória da humildade contra a arrogância.

Se é o suficiente para entrarmos na discussão do título não sei. Talvez não seja, até porque não estamos a lutar contra uma equipa, mas sim contra duas e não me parece que andemos a pagar salários aos jogadores dos clubes adversários nas vésperas de os defrontarmos, além de que, não é por termos vencido ontem que tudo o que de mau fizemos foi esquecido. Ainda não estamos bem de certeza, mas uma coisa vejo. Peseiro pode não ter sido o treinador ideal para se contratar, mas a mim que fui critico da sua vinda, conquistou-me no discurso de apresentação, e continua a conquistar-me com o futebol rápido e de ataque  que pôs o meu clube a praticar.

E com esta já são duas vezes que conseguimos virar resultados, o que é sintomático de uma mudança de mentalidade dentro da equipa.

Hoje é para disfrutar. Vencemos os dois jogos ao nosso rival interno e isso dá sempre um certo prazer.

Anúncios