Pelos vistos o grupo Acorda Porto não se restringiu apenas ao apelo ao voto nulo nas eleições e continua atento ao nosso quotidiano.

E dentro dessa preocupação redigiram uma carta ao nosso Presidente que retirei do site do grupo e reproduzo abaixo:

Exmo. Senhor Presidente do Futebol Clube do Porto,

O movimento “Acorda Porto” vem, por este meio, felicitar os dirigentes eleitos para este mandato de quatro anos (que findará, espera-se, em 2020 – ano de novas eleições). Dias depois do ato eleitoral (e, por muito que o queiram negar, depois do burburinho provocado por este movimento) e na ressaca de mais uma entrevista do nosso Presidente, consideramos que esta é a altura indicada para reagirmos, de forma clara e objetiva, ao que se tem passado.

Começamos por esclarecer os nossos propósitos:

1 – Somos um grupo de Portistas, Somos SEMPRE pró F.C. Porto;

2 – Não vivemos toldados por ódios ou perseguições;

3 – Não somos “patrocinados” por nada nem por ninguém, para além do nosso sentimento pelo F.C. Porto;

4 – Somos motivados pela lealdade que o amor ao F.C. Porto nos merece;

5 – Festejámos, até hoje, os golos e os títulos do nosso F.C. Porto, de forma anónima, e assim pretendemoscontinuar;

6 – Somos apenas sócios e adeptos de bancada, e assim pretendemos continuar;

7 – Não pretendemos cargos, nem reconhecimentos. Não seremos parasitas do F.C. Porto;

8 – Viver às custas do F.C. Porto não condiz com o que somos;

9 – Não tencionamos praticar qualquer tipo de alpinismo social à custa do F.C. Porto;

10 – Acima de tudo, não ambicionámos ter protagonismo. Esse deve estarreservado, hoje e sempre, ao NOSSO F.C. Porto;

E, é por isto que desejámos as maiores felicidades aos órgãos sociais recém-eleitos. O sucesso deles, no desempenho das suas funções, será o sucesso do F.C. Porto. E é só isso que nós desejamos.

Acredite, somos genuínos!

Foi por desejarmos o sucesso do F.C. Porto, que realizámos a ação do passado domingo. A colagem dos autocolantes nas imediações do estádio e o apelo forte, nas redes sociais, ao voto nulo, foram as formas por nós encontradas de, sem perturbar o ato eleitoral, mostrarmos que estamos atentos. De mostrar que consideramos ALTAMENTE INSATISFATÓRIO, o trabalho dos dirigentes do F.C. Porto, no último mandato. Como não era possívelvotar branco ou nulo, de forma democrática, usámos esta via para mostrar o nosso desagrado.

E é por isto que os resultados eleitorais apresentados, nos satisfazem. A lista única recebeu menos de 80% dos votos – resultado historicamente baixo e que não deve ser desvalorizado nem por si, nem pelos seus. Os sócios foram às urnas e deram-Vos um sinal claro. O pior erro que pode cometer seráentrar em negação.

Consideramos que a nossa ação digna, civilizada e válida, surtiu efeito. Mas não gostamos que nos tentem enganar. A anormal percentagem de votos nulos não se deveu a mensagens de incentivo ao Presidente e à Direção. Considerar que centenas de sócios que desejavam votar na única lista inutilizaram o seu voto com mensagens de incentivo, é achar que os Portistas são pouco inteligentes e não têm hábitos democráticos.

Qualquer pessoa minimamente informada, talvez com exceção do Presidente da Assembleia Eleitoral, sabe que um voto riscado é um voto nulo. No F.C. Porto e em qualquer eleição democrática! TODOS os sócios votantes – entre eles, figuras conhecidas e mediáticas – constataram que, as pouco reservadas mesas de voto, estavam constantemente ocupadas com sócios aescrever nos boletins de voto.

Aproveitamos para mostrar o nosso desagrado, face à falta de privacidade para se poder votar. E, embora saibamos que o regulamento eleitoral foi aprovado pelos sócios, em Assembleia Geral, a impossibilidade do voto em branco, os apelos das meninas das urnas para que os votos fossem de imediato depositados na urna e a presença prolongada de pessoas na Assembleia Eleitoral, após exercerem o seu direito de voto (entre elas o próprio Senhor Presidente), são indignas de um regime democrático. Rogamos-lhe, Senhor Presidente, que envide esforços para que, de futuro, estas situações sejam retificadas.

O movimento Acorda Porto não se vai extinguir. As nossas ideias foram tornadas públicas e pugnaremos por elas. Não seremos, NUNCA, um movimento oposicionista. Não adotaremos um comportamento de guerrilha. Não baixaremos o nível. Não atacaremos gratuitamente e escusam decontar connosco para o bota-abaixismo. Estaremos atentos e avançaremos com propostas construtivas, sempre na defesa dos superiores interesses do F.C. Porto.

A terminar, umas palavras sobre a entrevista do Senhor Presidente, ao Porto Canal: Senhor Presidente, nós não gostamos de o ouvir dizer queganhar o campeonato não pode ser uma obsessão. Que a obsessão é inimiga da clarividência, já todos sabemos. O que precisamos é de perder a tal obsessão, e só há uma forma de a perdermos: É vencendo, como sempre vencemos, sem perder o norte, sem nunca perder o foco.

Nós, Senhor Presidente, nascemos do fogo para vencer, fomos habituados a isso e, em grande parte, é a si que devemos tantas vitórias. Gostaríamos que o nosso destino continuasse a ser Vencer, para dar continuidade ao slogan: “a vencer desde 1893“. Ser obcecado pela vitória está na génese de ser Portista. Campeonatos, Taças ou torneios particulares e em TODAS as modalidades em que estamos representados.

Nós só queremos ganhar! E tudo faremos para que isso volte a acontecer.

Esperamos estar todos a remar para o mesmo lado. O F.C. Porto é um barco demasiado grande, bonito e precioso para se afundar.

Saudações Portistas,

Acorda Porto

Anúncios