O título pode parecer contraditório, mas foi mesmo isso que aconteceu.

Atacamos mais, rematamos mais, tivemos mais pontapés de cantos, ou seja, em condições normais poderíamos e deveríamos ter ganho.

Só que esta equipa do FC Porto comete muito erros, demasiados erros, e quando assim é não se pode almejar a ser feliz.

Inacreditável como nos vimos a perder por dois golos. Para quem andou a fazer jogos como se de uma pré época se tratasse, chegar aqui e não ter rotinas defensivas nenhumas, não ter capacidade para levar uma equipa minimamente oleada para esta final é para mim o mais grave.

Podem dizer que não foi o treinador que fez estas asneiras, mas é ele que os prepara, é ele que ensaia as rotinas, é ele que tem a obrigação de corrigir estas situações.

Não temos qualidade no centro da defesa, sei disso, mas o que aconteceu não foi só falta de qualidade, foi sim falta de brio, falta de profissionalismo e falta de saber o que é jogar com o nosso emblema ao peito.

Para além de tudo isto, o que dizer de um treinador que perde nove jogos em menos de cinco meses?

Mas nem tudo foi mau no Jamor. Hoje emergiu um jovem que, espero não venha a ser mandado embora, como muitos antes dele.

Falo de André Silva. Quando a maior parte baixava os braços ele lutava, não dava uma bola por perdida, sempre a procurar uma nesga para ser feliz. Foi assim que fez o primeiro golo, a aproveitar muito bem uma bola perdida à boca da baliza.

Foi sempre o balão de oxigénio que nos ia mantendo vivos no jogo, e foi ele, mais uma vez que aos noventa minutos num excelente pontapé de bicicleta fez o empate.

A única nódoa (se é que se pode dizer isso), foi já no último lance do prolongamento, onde teve nos pés o terceiro golo, mas hesitou, talvez fruto ainda da sua tenra idade. De todas as formas, está ali qualidade dos pés à cabeça, precisa é de continuidade e de ser apoiado.

Deste plantel, poucos ficariam por mim. Não temos muito jogadores com sentido de compromisso, com vontade de cá estar e isso reflete-se como é óbvio nos resultados.

Para além de André Silva, também gostei da atitude do plantel ao ficar no relvado a assistir à entrega da Taça aos vencedores, a contrastar com outros que ainda não há muito tempo não tiveram atitude tão digna.

Terminou a época, há que apurar responsabilidades e não é difícil de as apurar, já que estão lá todos ainda (com exceção de Lopetegui).

Se Antero Henriques é o homem forte do futebol, e se a época foi um rotundo fracasso, ele é o maior culpado desta situação.

Esperar que o homem abdique da sua ENORME fonte de rendimentos é ser lírico, mas ficar-lhe-ia bem repensar a sua postura no clube para evitar possíveis “futuros dissabores”

Pinto da Costa como presidente também não pode fugir das suas responsabilidades. Tem perdido faculdades ano após ano (pese embora os médicos digam que não) e isso nota-se.

Do treinador já falei em cima.

É preciso preparar a próxima época com cabeça, tronco e membros, sem preocupação se este ou aquele jogador, dão mais ou menos comissões, é preciso ir buscar jogadores com critério, é preciso apostar em jovens da casa que tenham a cultura Porto. É preciso aumentar a qualidade e o profissionalismo para voltarmos a ser o que éramos.

Anúncios